terça-feira, setembro 12, 2006

A propósito do desaparecimento do Patusco

O Patusco era um dos meus gatos. Desapareceu há um mês, no dia 5 de Agosto, no ínicio das minhas férias, ao fim da tarde/noite depois de uma sessão de festas. Era um gato já adulto, nascido no dia de Natal de 1999. Era filho da Pompom, a gata que por enquanto ainda se mantem connosco.

O Patusquinho, como gostava de o chamar, era um gato muito meigo a quem se podia fazer festas à vontade sem que ele alguma vez se chateasse. Aliás, de tão meigo que era, às vezes tornava-se um bocadinho chato pois costumava miar de forma estridente, sempre à procura de mais umas carícias. Quando passeávamos no quintal gostava de dar cambalhotas à nossa frente a pedir festas. Algumas vezes adorava caminhar ao meu lado como se fosse um cachorro fiel. Estava sempre por perto e gostava de dizer "estou aqui" com um miado especial quando alguém parecia não o ver.
Naquele dia quente de Agosto desapareceu. Ele conhecia muito bem aquele local onde vivia, quase em permanência e sem qualquer problema, há cerca de três anos. Por isso, a hipótese de se ter perdido é remota, quase impossível. O quintal era grande mas ele era um pouco atrevido e não resistia a umas fugidas para os quintais vizinhos. Gostava de caçar, em especial, pássaros. Talvez tenha tido um acidente ou alguém o tenha roubado mas o mais provável é que tenha sido vítima da violência gratuita de um vizinho com veneno ou uma paulada. Aliás, durante as nossas pesquisas ficámos a saber que um destes vizinhos se tinha ido gabar para o café da aldeia de ter exterminado sete gatos em menos de duas semanas. O Patusco terá certamente feito parte deste número.
Por mais que tente esforçar-me nunca conseguirei compreender este tipo de comportamento de seres ditos humanos. À medida que vou vivendo mais comportamentos deste tipo, difíceis de compreender e explicar, reconheço e identifico nesta raça que se diz humana.
Este post é uma homenagem ao Patusco e a todos os animais vítimas da violência gratuita destes seres.

8 comentários:

Desambientado disse...

Olá Teresa.

Desculpa não te ter respondido atempadamente às tuas questões e mensagens. Tenho andado a correr de um lado para o outro.
Estou neste momento em Santa Maria a fazer umas palestras.

Quanto à questão que colocas, estou bem, tenho andado bem. Já Passou.
O meu filho tem andado controlado, mas o problema ainda não desapareceu.

Espero que tenhas já encontrado o teu Patusco. Certamente não, pois é muito tempo.


Um beijinho

Félix

O meu primeiro blog disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
TF disse...

Olá
Agradeço as notícias. Infelizmente o patusco não voltou a aparecer.

Fátima disse...

Oi, que saudade!!!!!! Fiquei tempo demais longe da net e acabei perdendo o contato com os amigos de luta. O MUNDO ANIMAL completou um ano e 20.000 visitas e postei umas lembracinha para os amigos. Vou ficar feliz se vc nos visitar.
Adorei as fotos dos gatinhos. Não sei se vc sabe mas tenho dois gatos que amo de paixão!!!!!
Bjs

Desambientado disse...

Que pena o patusco não ter aparecido.

Ainda nem te tinha agradecido o postal de aniversário. Obrigado.

Estive uns diazitos muito ocupados com uma pequena gripe e outros tantos em Santa Maria..


Um beijinho

Félix

Desambientado disse...

Passei para te desjar umas Festas Felizes, cheias de muita alegria e saúde. Este desejo é extensível à tua família.

Félix

Desambientado disse...

Está quase aí 2007, mais um instante, um clic, que representa a passagem de ano. Por vezes pensamos que se trata de um clic mágico. Pois que assim seja 2007: um longo clic mágico.

Tudo de Bom para ti.

Muitos beijinhos

3za disse...

Oh Teresa... é igualzinho... Se não tivessemos encontrado dona... eu teria feito um aviso na Teia e sei que seria contigo que ficaria. Obrigada pelas tuas visitas, pelo carinho das tuas palavras. Bom sabermos que este destino de Teresa se cola ao destino de outras Teresas (a dona do "Luno" é outra Teresa...).
Umas Boas Festas para ti e votos de muita ternura e paz no ano que aí vem... Beijinhos