quinta-feira, janeiro 12, 2006

Lar de Idosos, Crimes Ambientais e Esbanjamentos

Preocupam-me muito a ignorância e a estupidez que grassam neste país. Vem esta afirmação a propósito da construção do lar de idosos na minha aldeia.
Alguns doutos senhores da terra decidiram construir um lar de idosos. Um armazém para velhos é assim que vejo essas estruturas que decidimos criar para arrumar os indesejáveis. Para levar a cabo a sua obra, começaram por destruir uma zona verde no meio da aldeia, tapando, inclusivé, um poço com água potável que mesmo em anos de seca podia garantir o abastecimento a algumas pessoas e à própria instituição. Essa zona verde era um bom quintal onde existiam árvores de fruto e boa terra para cultivar legumes. Pertencia ao edifício onde funciona o infantário, uma das valências da instituição, o Centro de Assistência Paroquial. Além de se retirar qualquer possibilidade de o espaço poder vir a ser aproveitado como um espaço saudável para as crianças, retirou-se qualquer possibilidade de alargamento, a criação de um berçário, por exemplo, que dizem fazer falta. O monstro de cimento que lá decidiram "plantar" é de uma volumetria descomunal, completamente desenquadrado de tudo o que existe em volta e na aldeia inteira. Penso que as doutas inteligências se confudiram e pretendiam talvez uma pensão residencial num espaço urbano em vez de um equipamento para idosos numa aldeia. E não se diga que não existiam outros terrenos. Um dos possíveis fica contíguo ao centro de dia já existente o que só facilitaria a logística de gestão dos equipamentos.
O que impressiona é que o projecto tenha sido aceite e aprovado pelas diversas entidades oficiais por onde passou, a começar pela Segurança Social, Câmara Municipal,... Que existam burros não me admira, mas tantos!!...
E assim é esbanjado o dinheiro dos contribuintes!

18 comentários:

Desambientado disse...

Esta história vem demonstrar mais uma vez a pertinência de implementação da Agenda 21 Municipal, com reprecursão a nível de freguesia.

TF disse...

Felix
Tu como autarca e se calhar como cidadão mais informado lá sabes o que é a agenda 21 Municipal mas eu confesso que não sei. Pela forma como falas parece que se trata de uma ferramenta que permitirá pôr algumas coisas nos eixos em termos de políticas locais.
A ver vamos e assim espero.

Desambientado disse...

A Agenda 21 é uma estratégia dedesenvolvimento sustentável adoptada por Portugal na Cimeira do Rio. Visa essencialmente pôr a população a participar nas decisões políticas que dizem respeito ao desenvolvimento da sua comunidade. Portugal comprometeu-se a implementar essa estrat´rgia em todos os Municípios e Escolas. Assim há a Agenda 21 Escolar e a Agenda 21 local.

TF disse...

Parece-me uma boa ferramenta em teoria mas nós portugueses não temos nível cultural e social para usarmos essas ferramentas. Falta-nos cultura cívica e sentido de comunidade e não se vislubram mudanças até porque o sistema educativo está de rastos...
Claro que é sempre melhor que a Agenda 21 exista do que nada. Assim temos uma base e um pretexto para começar a construir e a lutar para que as coisas existam de facto.

Desambientado disse...

Por isso mesmo, teremos que apostar rapidamente numa educação para a Cidadania e numa educação ambiental.

TF disse...

Tens razão mais uma vez e agradeço o entusiasmo e a força que pões nas tuas palavras. Eu tento manter-me nesse registo mas sei que de vez em quando tenho uns deslizes para o pessimismo...

Desambientado disse...

Quando estou triste, procuro alguém mais alegre, e quando mesmo assim, continuo pessimista, não falo com ninguém. Como odeio estar calado, passa-me depressa o pessimismo.

TF disse...

Vou tentar adoptar o teu método

Isabel Cristina disse...

A história do lar de idosos diz-me muito sobretudo pelo aspecto humano embora, claro, as questão da localização e das decisões que deveriam ser comunitárias e não são me irritem profundamente.
O mundo branco do norte criou uma sociedade de uma pobreza extraordinária (Teresa, este post tb se relaciona com um teu já antigo sobre a criancinha na farmácia...). E essa sociedade considera que é rica e evoluída mas não é! Culturalmente rica é uma qualquer aldeia num qualquer oásis do Sahara onde um velho é alguém prezado por todos, em especial pela família, e visto como fonte de sabedoria e de transmissão de informação. Claro que as familias são pobres, as crianças andam kms ao frio para chegar à escola, as mulheres não têm autonomia, sei isso tudo! Mas há algo que sempre os vi terem em abundância: dignidade! Sobre este extraordinário dilema norte-sul haverão de me aturar mais vezes...

TF disse...

Sim impressiona-me muito a postura da sociedade Ocidental em relação à velhice. O contraste com o Oriente, Ásia (China por exemplo) e com África é gritante. Parece-me um sinal de grande pobreza e muita ignorância .

Desambientado disse...

Olá Teresa.
Tudo bem contigo?

TF disse...

Sim tudo bem. Estou com muito trabalho algum pouco interessante e por isso não tenho tido tempo para os blogs, também porque fiquei longe da internet no fim de semana.

Desambientado disse...

Ok.
Antes assim. Que não é problema de saúde.

Anónimo disse...

EM 2010 A 3º IDADE DUPLICARÁ AS OUTRAS. TEMOS QUE ESTAR PREPARADOS.

TF disse...

Agradeço o comentário de anónimo mas apesar de perceber a preocupação não posso deixar de responder.
Estarmos preparados para responder ao aumento da esperança de vida e portanto ao acréscimo de pessoas na terceira idade não significa ter de construir armazéns sem nenhuma qualidade nem estética para armazenar as pessoas. Existem certamente outras soluções, já adoptadas em alguns locais que procuram preservar a qualidade de vida e a dignidade das pessoas mesmo em espaços comunitários. Mesmo em Portugal existem felizmente alguns espaços já contruídos, tipo aldeias comunitárias, onde as pessoas estão apoiadas e inseridas em espaços dignos de qualidade e não enfiados em edifícios de betão completamente desenquadrados do ambiente envolvente onde para pessoas de idade a avançada, a diferença para uma prisão deve ser pequena.

Eliseu disse...

Realmente fico incredulo com tudo o que dizem... Armazem de velhos???????
É chocante a anormalidade com que diz isto. Um lar é como uma instituição que da apoio a idosos e não um armazém. Fazem o trabalho de pessoas, muito provavelmente como a pessoa que escreveu esta crónica, que muitos familiares já n querem ou não podem.
Esqueça o ambiente por um pouco e pense que nem só de crianças vive o mundo, todos nos fazemos parte dele, inclusivamente os idosos. É gritante a forma como pseudo-intelectuais invandem os blogues sem nada para dizer.

Eliseu disse...

Realmente fico incredulo com tudo o que dizem... Armazem de velhos???????
É chocante a anormalidade com que diz isto. Um lar é como uma instituição que da apoio a idosos e não um armazém. Fazem o trabalho de pessoas, muito provavelmente como a pessoa que escreveu esta crónica, que muitos familiares já n querem ou não podem.
Esqueça o ambiente por um pouco e pense que nem só de crianças vive o mundo, todos nos fazemos parte dele, inclusivamente os idosos. É gritante a forma como pseudo-intelectuais invandem os blogues sem nada para dizer.

TF disse...

Caro Eliseu
Agradeço o seu comentário mas lamento que não tenha percebido!
Não sou completamente contra a existência de instituições de apoio a idosos, muito embora prefira que elas não se tornem a norma para colocar as pessoas idosas nas sociedades ocidentais!
Como digo no artigo, não seria preciso desprezar o ambiente para construir o edifício, existem outros terrenos e locais mais agradáveis e menos dispendiosos na dita aldeia. Neste local a construção tem todos os inconvenientes, até o de ficar ao lado de uma casa e recinto de diversão e de realização de festas. Estas instituições, a existirem, devem ter dignidade e não serem construídas apenas para satisfazer caprichos que nada têm a ver com reais interesses de proporcionar qualidade de vida a idosos.
Lamento também que não saiba comentar respeitando as pessoas que têm opiniões diferentes da sua e que venha com insultos. Não me considero pseudo-intelectual e felizmente tenho liberdade e meios para expressar as minhas opiniões.